Uncategorized

Bilharacos de abóbora

Não sou muito fã dos doces tradicionais de Natal, mas gosto muito de bilharacos (também gosto muito dos sonhos da minha mãe, acabados de fazer!). Este é o único doce que faço todos os anos e gosto que fiquem bem húmidos e em vez de os servir com canela e açúcar, faço-os com calda. Também são conhecidos como bolinhos de bolina ou de jerimu e há quem junte frutos secos à massa. Acredito que existam muitas variações na forma de os fazer, consoante os gostos e as regiões do país e eu não sigo propriamente uma receita que me tenha sido passada

Não são muito difíceis de fazer mas é preciso começar a preparar tudo com alguma antecedência porque a abóbora tem que escorrer durante a noite depois de cozida (para dizer a verdade já os fiz no próprio dia, mas não recomendo). Este ano comecei com uma abóbora menina de cerca de 10 kg e depois de cozida ficou a escorrer durante a noite. No dia seguinte espremi a abóbora num pano para retirar ainda bastante líquido. No fim pesei a polpa e fiquei com cerca de 1,6 kg. É sempre espantoso como de uma abóbora tão grande resta pouca polpa!

Foi então que comecei a juntar os ingredientes: 5 ovos inteiros + 5 gemas, sumo e raspa de uma laranja, um cálice de vinho do porto, cerca de 10 a 12 colheres de sopa de açúcar (usei mascavado), cerca de 6 a 7 colheres de sopa de farinha bem cheias (usei de espelta). A quantidade de farinha depende muito da consistência que se quiser obter e eu junto sempre o mínimo possível até conseguir moldar os bilharacos, pois prefiro que o sabor da abóbora sobressaia.

Segue-se um exercício de paciência que consiste em moldar os bilharacos com a ajuda de duas colheres, como se se estivesse a fazer bolinhos de bacalhau, e fritar em óleo abundante sem estar muito quente. Depois de fritos, ficam a arrefecer em papel de cozinha. Faço então uma calda, com 10 colheres de sopa de açúcar, 10 colheres de sopa de água, casca de laranja e paus de canela. Passo os bolinhos para os pratos de servir e rego com a calda.

Ficam melhores com o passar dos dias mas estes não costumam durar muito ;-)

Newsletter

No Comments

Leave a Reply